Ronaldo Costa Couto

Mineiro de Luz, nascido em 3 de outubro de 1942.

Formação e atividades exercidas

É doutor em história pela Universidade de Paris-Sorbonne (Paris IV) e economista pela Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG. Professor universitário, jornalista, pesquisador, homem público. Foi superintendente geral do Desenvolvimento da Companhia Vale do Rio Doce, coordenador geral da fusão dos antigos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, primeiro secretário de Planejamento do novo Estado do Rio de Janeiro (governo Faria Lima), secretário de Planejamento e Coordenação Geral de Minas Gerais e presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (governo Tancredo Neves). Participou, ao lado de Tancredo Neves, da Campanha das Diretas-Já para Presidente e da campanha política que o elegeu presidente da República em 15 de janeiro de 1985, marco da redemocratização do país.

Ministro do Interior de março de 1985 a abril de 1987, função que acumulou com a de governador de Brasília, em 1985. Ministro-chefe do Gabinete Civil da Presidência da República no triênio 1987-89, cargo exercido simultaneamente com o de ministro do Trabalho no final de 1988 e início de 1989 (governo Sarney). Consultor da Rede Globo de Televisão nas minisséries Um só coração (2004) e JK (2006), consultor do Banco Interamericano de Desenvolvimento, conselheiro do TCDF, membro efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal e da Academia Brasiliense de Letras. Eleito por unanimidade em 30 de outubro de 2008, assumiu a cadeira nº 16 da Academia Mineira de Letras em 16 de abril de 2009.

Obras

Matarazzo: a travessia. São Paulo, Editora Planeta do Brasil, 2004.
Matarazzo: colosso brasileiro. São Paulo, Editora Planeta do Brasil.
A história fascinante de Francesco Matarazzo (1854-1937), imigrante italiano criativo, encantador e espirituoso, maior
empreendedor do Brasil, um dos principais do mundo em seu tempo, que começou como tropeiro comercial em Sorocaba-SP, em 1881. Ele criou o maior e mais complexo império empresarial da América Latina, tornando-se o italiano mais rico do mundo, dono de fortuna mítica, quinta do planeta, avaliada em mais de 20 bilhões de dólares de 1992. Revelações e segredos do conde. Como conseguiu tanta riqueza, sucesso e fama? Sua morte parou São Paulo e comoveu o país. Historicamente contextualizado, Matarazzo consumiu cinco anos de pesquisa e estudo da saga da família, exame de vasta bibliografia e mar de documentos, gravação de 150 entrevistas no Brasil e no exterior. Prefácio: Bolívar Lamounier / A. Andrea Matarazzo; orelha: Fernando Morais.

Brasília Kubitschek de Oliveira. Rio de Janeiro, Editora Record, 200. Síntese da vida e obra do presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira (1902-1976), desenvolvida em torno da construção de Brasília. Quem foi e o que fez JK? Como conseguiu o crescimento acelerado e a inserção do país na modernidade sem trair a democracia? Por que decidiu mudar o Brasil e construir Brasília tão depressa? Valeu a pena? Quanto custou? Capital da roubalheira e da inflação ou segunda descoberta do Brasil? Quem eram e o que realmente queriam seus adversários e inimigos políticos? Por que o mais popular e otimista presidente da República depois sofreu tanto e morreu três vezes? Prefácio do autor; orelha: Luciana Villas-Boas.

A história viva do BID e o Brasil. Rio de Janeiro, Editora Record, 1999. Pesquisado e escrito por solicitação do Banco Interamericano de Desenvolvimento, é o relato vivo da criação, trajetória e consolidação do maior banco de desenvolvimento regional do mundo, fundado no final de 1959. Explica o que é e como funciona a instituição, faz revelações, escancara suas raízes brasileiras. Contém dezenas de entrevistas exclusivas de personagens proeminentes de sua história. Prefácio: Enrique V.Iglesias; orelha: Enrique V. Iglesias.

Memória viva do regime militar. Rio de Janeiro, Editora Record, 1999. Síntese histórica do regime autoritário (1964-1985) e seleção de depoimentos completos de atores relevantes do período. Desde os generais-presidentes Ernesto Geisel (1907-1996) e João Baptista de Oliveira Figueiredo (1918-1999) ao prisioneiro político mineiro Gildásio Westin Cosenza, do PC do B, torturado no Doi-Codi de São Paulo, inclusive no dia da morte do jornalista Vladimir Herzog, em outubro de 1975. Prefácio do autor; orelha: Celina Vargas do Amaral Peixoto.

História indiscreta da ditadura e da abertura. Rio de Janeiro, Editora Record, 1998. Mergulho profundo na história da ditadura brasileira de 1964-85. Por que houve o golpe? Como derrubaram o governo João Goulart? Por que a ditadura durou mas de 20 anos? Como e por que acabou? Livro extraído de tese de doutorado defendida na Universidade de Paris-Sorbonne (Paris IV), em novembro de 1997, resultante de quatro anos de estudos e pesquisas de campo. Inclui mais de cem depoimentos de atores relevantes. Devassa e explica o período e seus reflexos. Analisa, interpreta e documenta fatos marcantes do processo ditatorial, desvenda mistérios, desfaz segredos. Prefácio: Katia Mattoso / Francisco Iglésias; orelha: Bolívar Lamounier.

Tancredo Vivo: casos e acaso. Rio de Janeiro, Editora Record, 1995. Testemunho pessoal e revelações sobre a vida e a morte do presidente Tancredo de Almeida Neves (1910-1985). São 350 tópicos, uns da Velha República, alguns de JK e de outros políticos mineiros, quase todos de Tancredo, hábil mestre da alta política que sabia manipular humor, simpatia, cultura e folclore. Em linguagem leve, quase coloquial, o livro inclui memorialística, reportando acontecimentos históricos relevantes que o autor vivenciou. Culmina com a narrativa da tragédia pessoal que se abateu sobre Tancredo, comovendo e abalando o país. A doença, o polêmico tratamento médico-hospitalar e, 37 dias depois da posse que não houve, a morte no 21 de abril do mártir Tiradentes, seu conterrâneo e ídolo. Prefácio: Francisco Iglésias; orelha: Elio Gaspari.

Cadeira 16

Patrono
Paulo Cândido (1805–1864)
Fundador
Diogo Vasconcellos (1843–1927)
1º Sucessor
Mário Mattos (1899–1966)
2º Sucessor
Waldemar dos Anjo (1901–1980)
3º Sucessor
Flávio Neves (1908–1984)
4º Sucessor
Wilson Castello Branco (1918–1986)
5º Sucessor
José Afrânio Moreira Duarte (1931–2008)
6º Sucessor
Ronaldo Costa Couto (1942)